quinta-feira, 8 de julho de 2010

Bobos da corte



A gente sempre sempre acha que nossos pais não nos apoiam, seja qual for nossa situação. O fato é que abusamos dessa necessidade e fazemos com que nossos pais se tornem animais de estimação a nosso comando. Sempre me pergunto: por que será?
É como um bobo da corte que anuncia um incêndio, alardando toda a realeza, para depois, cair nas gargalhadas sarcásticas, mas solitárias, porque não percebe que ninguém mais está rindo com ele, não entende que não tem graça ver o desespero dos outros. Assim acontece com nossos pais, sim, pois sempre nos encontram em situações de risco, as quais cabiam somente a nós resolvê-las. E eles nunca se cansam de nos tirar de enrascadas, e mesmo assim sentimos vergonha deles, estranho, não é?
Poxa, eles sempre exigem mais e mais da gente, nunca estão satisfeitos, não reconhecem o nosso esforço, nem o quanto estudamos para ser o que eles querem. Mas o que não percebemos, é que o mínimo que devemos fazer por eles é agradecer todos os dias por nos terem dado a vida, nos ter ensinado a falar, agradecer pela roupa, pela comida, pela casa em que moramos, pela faculdade que bancam, mesmo que seja pública. Precisamos perceber que, sem eles, que nos criam, o futuro da nossa sociedade estaria perdido! É necessário que toquemos nossa consciência, para que possamos valorizar o que nossos pais nos deram, e, de certa forma, perceber, que eles apenas querem que tenhamos o que não tiveram, e não exigem nada em troca.
É dever de todo filho ser um reflexo, não de seu pai, mas das atitudes que devemos tomar, como o barro se transformando em jarra que servirá o refresco, modelada por seu criador. Porque um dia tudo irá parecer desmoronar, e, embora pareça que o céu esteja caindo ao nosso redor, não devemos esmorecer, pois cada dia é um novo dia.
E de repente, o reino se incendeia, e o bobo da corte é o primeiro a ver. Ele tenta avisar os demais, mas percebe que suas palavras não são mais de importância, todos morrem, não pelo incêndia, mas pela falta de veracidade nas atitude do bobo. O que fazer diante dessa situção? E quando nossos pais se cansarem de nos tirar dessas enrascadas?
Mas pai é pai, e, quando mexem com seus filhos, ele vão atrás. Por isso exigem cada vez mais de nós, para que sejamos pais exímios e zelosos com nossos filhos, assim como foram com a gente.

Pense nisso, e comente no nosso blog, a abrida agradece!
Ah! Não deixe e passar aqui com frequência, tem sempre um post saindo do forno!!!!!

2 comentários:

  1. só uma coisa a dizer: PAI EU TE AMO, msm vc estando preso por minha causa.





    zuuuera gente, zuera! SAIUDHIUSAS
    otimo post profe pardal

    ResponderExcluir
  2. Muito bom seu texto! valorize mais seus pais,eles nunca irão te abandonar,não te pedira nada em troca e é o único amor verdadeiro.

    ResponderExcluir