terça-feira, 23 de agosto de 2011

Pulsos.


E um dia se atreveu a olhar pro alto
Tinha um céu, mas não era azul
No cansaço de tentar, quis desistir
Se é coragem, eu não sei

Tenta achar que não é assim tão mal
Exercita a paciência
Guarda os pulsos pro final
Saída de emergência


Às vezes da vontade de descer. Parar, sair, olhar de fora essa roda gigante que a terra se transformou. É, de fora tudo parece mais fácil.

Um dia você se cansa, de fingir que passou, de dizer que não magoou, de esperar. Esperar pelo que não vai acontecer, pelo que você nunca vai ter ou ser. Aí você se lembra, de quando você ia ser médico, professora, astronauta. Lembra de um tempo que já passou, dos problemas que eram trabalhos de Hércules, da dificuldade das tarefas de matemática. Você se lembra o quanto era difícil perder a vergonha do primeiro beijo, mas também se lembra dos momentos juntos com a primeira namorada.

Mas um dia você acorda, vê que passou no vestibular na faculdade que você queria, vê que você é semi-independente, morando fora da casa dos seus pais como você sempre quis. Vê que sua vida recomeçou, como em um jogo que você tem que passar de fase. 

Aí vêm as provas, as compras, o estágio, amigos que pedem por mais atenção, horários de sono inadequados. É, você está em outro nível.

E quando acha que não pode piorar, é, Murphy sempre dá um jeito. Seu cachorro morre, sua namorada termina com você, você pega dependência de alguma disciplina, o trabalho é dobrado e o tempo é curto.

E atravessando essa ponte que liga seu passado ao seu futuro, ela quebra, você cai num rio de problemas, começa a se afogar, nas suas próprias mágoas, nos pedidos de atenção, e você quer sair, tudo parece um sonho. Você sente que é hora de acordar. Mas acordar pra que?

E o jogo acaba, porque você não consegue sair desse rio. Mas sempre num jogo, você tem direito a mais de uma vida. Mas esse é o jogo da Terra, onde você tem que cumprir todas as tarefas com apenas uma vida.

Então, é hora de pegar a única vida que temos, e atravessar os níveis, e se não der certo, podemos continuar de onde paramos, ou recomeçar, porque temos direito a esse bônus, o Tempo. Ele é o único bônus que se adéqua as necessidades que você tem que enfrentar, pra mostrar o quão bom é necessário para zerar esse jogo.

4 comentários:

  1. Muito bom, inspiração você teve viu.

    ResponderExcluir
  2. E a gente se pergunta poruqe a vida é assim, é dificil pra você e é dificil pra mim ♪
    é, Tenso né? :x

    ResponderExcluir
  3. Interessante. É como se nós vivêssemos para buscar nossos objetivos o tempo todo. E quando determinamos um objetivo, independente de o termos encontrado ou não, surge a necessidade do niilismo.
    Bom mesmo é chegar ao final e perceber como todo o esforço valeu à pena. Ou não...

    ResponderExcluir
  4. Realmente um jogo, a gente só precisa aprender a jogar...

    ResponderExcluir