domingo, 18 de dezembro de 2011

Mentirinha




Quais argumentos sustentam uma mentira? E depois da mentira contada, qual a convicção de aceitação da mesma? Até que ponto chega-se a desenvolver algo mentiroso?

De um modo geral, a mentira é a ausência de verdade. Ainda há quem diga que uma meia mentira nunca será uma meia verdade. Mas uma meia verdade pode ser uma meia mentira?

Mas estamos fazendo muitas perguntas e não respondendo nenhuma delas. E nem pretendo responder todas, pois as deixo a vocês, caros leitores, tirarem suas próprias conclusões.

Algumas pessoas, contam mais do que mentira, fazem desta sua própria verdade. Simulam atos e situações que quase os tornam verdadeiros. Normalmente isso acontece quando se quer sustentar algo falado sem querer antes, mas que mesmo assim, causou certa balbúrdia.

Ou ainda, a pessoa mente pra proteger a integridade de alguém, e esse alguém conta pra outro alguém, que precisa de favores similares, que conhece outro alguém e, logo, seu nome correu por todos os nichos sociais possíveis. Será que era essa fama que a pessoa quer? E como depois desmentir algo tão grande?

Ou mentir, por exemplo, quando alguém que você precisa, que necessita da confiança dele, está envolvido, mas você está de mãos atadas, frente ao que você mesmo criou. E ainda existem seus pais, aqueles que educaram você pra ser honesto, sincero, digno.

Realmente isso é algo com que se preocupar. Entre mentir, e omitir, omita. Vai ser melhor do que ter que sustentar algo que não o fará digno de credibilidade outra vez. Por parte de todos os envolvidos, e principalmente se houver alguém especial.

Mas, depois da arte feita, talvez esse alguém nem se importe com isso, talvez ele queira você. O mais importante de tudo isso, é estar bem consigo mesmo no final, pois a primeiro ver, os fins justificam os meios, mas talvez no meio, você queira mudar o fim.

Seja verdadeiro sempre que possível. Mas se não der, não vá muito longe com a mentira. Só assim você terá como justificar seu fim, mudando não só o seu meio, mas o de todos os envolvidos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário